Hoje é terça-feira, 17 de julho de 2018

Publicidade

Triturador viabiliza descarte sustentável da podas urbanas e móveis velhos

11 de janeiro, 2018 às 09:31

A limpeza adequada das podas urbanas e o descarte de móveis velhos são um verdadeiro problema para a maioria dos municípios. Em Campo Bom, a Prefeitura implantou uma solução que vem trazendo muitos resultados positivos. Desde agosto do ano passado a cidade passou a contar com um triturador para ser usado no processo da trituração dos galhos das podas urbanas. O mesmo equipamento ajudou a dar uma destinação correta aos resíduos dos moveis velhos recolhidos pelo serviço Caco treco.

Leia também:

Prefeitura subsidia empresas para participarem de feiras em São Paulo

Brigada Militar recebe reforço temporário

Moradores reclamam de mau cheiro vindo de usina de reciclagem de lixo

No início, a máquina foi utilizada para triturar os galhos das podas das arvores conforme calendário anual do município. Com o fim das podas, a máquina foi direcionada para triturar um grande volume de móveis (armários, roupeiros, cozinhas, sofás entre outros) que ficavam inutilizados nas casas dos munícipes e que, após agendamento, foram recolhidos pelo serviço gratuito do Caco treco e levados para a usina de resíduos doméstico, onde passaram por uma triagem e, após, pelo descarte final.

Segundo o prefeito Luciano Orsi, o triturador, que tem um custo mensal de locação de R$ 9.900,00, “possibilita maior agilidade na realização dos serviços e a reutilização dos resíduos de podas de árvores, desafogando o aterro sanitário e dando um destino adequado a este material”. Ele explica que a ideia para esse ano é instalar uma máquina de trituração na região que estiver recebendo a poda para reduzir o número de cargas que precisam ser transportadas até o aterro sanitário. “É possível se obter uma economia substancial no transporte, pois podemos transformar 16 caçambas de galhos em apenas 1 com o material triturado e só então transportar o mesmo para o destino. O material triturado poderá ser usado como cobertura do solo, canteiros, paisagismo e compostagem”, explica Orsi.

Mais de 500 toneladas

 Segundo levantamento realizado pelos técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sema), o volume de material acumulado de anos anteriores ultrapassou 500 toneladas. Após alguns meses de intenso trabalho a equipe conseguiu triturar esse montante. A Sema estuda agora uma forma de dar a destinação ecologicamente mais correta para esse material, como em queima de fornos e caldeiras que estejam de acordo com as normas vigentes e evitando assim um alto custo financeiro para o município em aterros licenciados para tanto.

 O secretário de Meio Ambiente, João Flávio da Rosa, comemora a nova realidade. “Quando aceitei o desafio de assumir a SEMA, não tinha conhecimento dessa grave situação e ao se deparar com o problema fui a    busca de soluções criativas e sustentáveis para esse material. Atualmente estamos realizando testes em olarias licenciadas para estudar a viabilidade de aproveitamento desse material. Já os resíduos das podas de árvores vão ser utilizado na compostagem de resíduo orgânicos que são recolhidos no projeto Floração Hortas Urbanas e também em outras hortas comunitárias que serão implantadas na cidade”, define o secretário.

Publicidade

2017 - Tudo Online em Campo Bom