Hoje é sábado, 18 de agosto de 2018

Publicidade

Opinião

Morungava Air

Lá pelos anos 70, tio Dino que sempre teve um espírito empreendedor, resolveu aplicar os lucros amealhados da venda de uma pequena quantidade de gado 30 mil cabeças e montou uma empresa aérea, Morungava Air, uma frota com apenas dois aviões que realizavam vôos entre duas grandes cidades, Morungava é óbvio à Nova Iorque.

Visando valorizar o pessoal de Morungava toda a equipe de bordo foi treinada pelo próprio comandante Arcedino Vieira Nunes; “Comandante Dino”. Num dos aviões tio Dino e Anselmo e as aeromoças, tia Miúda e dona Nóquinha. Visando incrementar os serviços, além do tapete verde para a entrada dos passageiros no avião, tio Dino fez uma cozinha dentro da aeronave. Para vôos mais longos tia Miúda servia carreteiro de charque, e lanches com pão com nata e chimia, salame e biju.

Pois num dos vôos até São Paulo saindo de Morungava , o piloto gaúcho Arcedino “tio Dino”, liga o microfone e começa a falar com os passageiros: “Bueno indiada, aqui é o Piloto, comandante Dino, guasca tropeiro parido com muito orgulho em Morungava. Deixei meu cavalo pra ter a satisfação de acompanhar as senhoras e os senhores nessa bagaça que é o vôo 433 da Morungava Air, com destino a São Paulo e escala em Florianópolis, quintal de minha querência o meu Rio Grande amado. Neste exato momento tamu vuando a 9 mil metro de altura, sacudindo as melena, velocidadezita de 860 Km/hora, e jatemu sobrevoando a cidade de… OHHHHHHHPAAA!!! BARRRRRBARIDADE!!! DEEEEEUZULIVREEE, COMO FOI ACONTECER ISSO !!! PATRÃO VELHO, QUE FURADAAAA TCHÊ..!”; grita o comandante Dino em tom nervoso. E os passageiros escutam aqueles gritos pavorosos, seguido de um barulho infernal… – NÃÃÃÃOOOOOOO….!!!!!!

Segundos depois, o comandante Dino pega o microfone e, rindo, meio sem graça, se desculpa: “Bah me desculpem xiruzada, pelo “esparramo” aki na cabine, mas é que me descuidei e me escapou da mão a cuia do meu chimarrão, que caiu bem encima da minha bombacha nova, sacumé, água meio quente.. e tal, me queimou !!!! Vocês precisam ver como é que ficou a parte da frente da minha bombacha tchê!!!”, observa o comandante Dino. Nisso grita um lacaio lá do fundo do avião, provavelmente um paulista . . .

“Gaúcho safado e você precisa ver como ficou a parte de trás da minha calças!!!” reclamou o passageiro.

*A Morungava Air funcionou até o inicio dos anos 80 e depois a empresa foi comprada por uma tal de American Airlines.

Tem que ter concurso – 100% Morungava

Jair Wingert – jornalista

 

O sábio…

Na peça  de Shakespeare, o bobo da corte, leal companheiro de Lear durante a peça, sintetiza o destino do rei: “Pobre Lear, que ficou velho antes de ficar sábio.” Nessa referência ao erro cometido pelo nobre, o bobo nos apresenta o grande problema: Lear não soube envelhecer e ganhar o único fruto que a idade pode dar em troca de todas as outras perdas: o conhecimento.

Com ele, somos capazes de manipular tudo e todos, quem sabe chegar ao Übermensch de Nietzsche. Hamlet tenta fazer disso sua razão de viver e acaba por matar quase toda a corte da Dinamarca, incluindo a si mesmo, em um jogo político intricado e problemático. Hamlet supera a vilania do usurpador Claudio, assassino de seu pai, mas paga um alto preço ao morrer atingido pela espada envenenada.. A noitinha  entre o fogo de chão o mesmo ritual, chimarrão de mão em mão. O chimarrão é  a bebida mais democrática que existe, pois na mesma cuia sorvem o mate da esperança; estancieiro e peão. O chimarrão tem gosto de esperança e embala sonhos.

Na beira do fogo de chão ao lado dos peões, os cães e gatos também se ajeitam e no céu tendo como pano de fundo o Itacolomi, uma estrela cadente corta a noite morungavense para um pedido  ser feito. O velho Dino conta que nos tempos brabos havia na região um taura temido por todos, morava no Paredão e era daqueles de faca na bota. Gaudério que tinha  dizem as más línguas umas dez mortes nas costas, a maioria as traições. Andava sempre armado e gostava de confusão nos bailes, nas canchas de carreira, no jogo do osso. Afirmam que num carteado na casa de dona Emerenciana  levantou  com  nove cartas no bolso do casaco, não sem antes dar três tiros no forro da casa num medonho “buenas noites”. Não é que em Morungava morava um sujeito chamado Abrelino medroso, imagina um homem medroso. Imaginou? Multiplica por três. O ônibus que seguia para Porto Alegre parou na faixa e Abrelino adentrou. O medroso seguiu para o fundo do ônibus que já estava lotado e sentou no único lugar vago, mas percebeu que havia várias pessoas de pé no corredor. Pensou: “Porque será que só este lugar está vago?”

Sentado e feliz por não ter que viajar até a capital de pé, Abrelino olhou para o lado e notou que seu companheiro de viagem era o sujeito aquele, o valentão. Abrelino já tremendo, suando frio e as tripas roncando ainda percebeu que o taura tinha um revolver 38 na cintura e um punhal. Mas o teatino do Paredão por sorte estava dormindo, roncava e babava no canto da boca. O nervosismo de Abrelino foi tão grande que não se aguentou e vomitou, mas pensa num vômito… Botou para fora os três ovos fritos, feijão mexido, linguiça, pão com  chimia e duas xícaras de café e sabe onde?  No colo do valentão que seguiu  roncando. Mais apavorado que nenê  cagado Abrelino sentiu que morreria ali mesmo quando o sujeito acordasse. Pouco antes de chegar à capital o índio malacara acorda e olha aquele café da manhã todo no seu colo, passa a mão no revólver e antes de qualquer coisa Abrelino que ficou sábio antes de envelhecer pergunta com cara de “preocupado”: “O senhor está melhor?”

Tem que ter concurso. 100% Morungava

Jair Wingert; jornalista

O sábio – parte I – O sábio que sabe que é sábio e não ensina, é semelhante a nuvem, que passa e não traz chuva

Em tempos bicudos nada melhor que um “pit stop” para recarregar as baterias físicas e espirituais e nada melhor que o velho e bom Morungava. Não existe lugar mais bonito e hospitaleiro que a terra que viu nascer e que um dia (vai demorar) até porque os Wingert são longevos pra dedéu. Um Wingert que morre com 85 anos é considerado um guri. Conta-se que uma parenta nossa com 118 anos de vida estava à beira do caixão de um dos seus filhos que havia morrido com 87 anos e disse está pérola olhando para o outro filho de 93 anos: “Eu sempre dizia que este guri não iria se criar e morreria cedo”

Pois é, mas este escriba quer repousar lá no velho Morungava quando este corpo alquebrado pelos 125 anos não me permitir mais jogar no Guarani, nem escrever, torcer pelo Colorado, não conseguir mais ler Leandro Karnal, Neruda, Quintana, Erico Verissimo Borges nem mijar no vaso, muito menos limpar a bunda, ai estará na hora de dizer “Fui! Vazei..”, mas na minha lápide quero a escrita: “Aqui jaz muito a contra gosto um jornalista que amou a família, os amigos, os livros e a verdade.” Mas isso quando estiver escafedido, dobrando a curva da boa esperança.

Mas voltando à Morungava e sua gente hospitaleira, seus sítios bucólicos, suas estradas de chão batido onde a poesia vira realidade ao cruzar por uma carreta de bois cheia de pasto, um guaipéca correndo na frente dos bois e um colono tirando o chapéu para te cumprimentar. No barranco destas estradas um colorido de flores do campo que nem Picasso ou Van Gogh seriam capazes de pintar. Parafraseando o poeta Marco Aurélio Campos digo: “Sou enfim, o sabiá que canta, alegre, embora sozinho. Sou gemido do moinho, um tom triste que encanta. Sou pó que se levanta. Sou raiz, sou sangue, sou verso.

Sou maior que a história grega. Eu sou morungavense, e me chega prá ser feliz no universo”. E próximo aos finados um “ventito tangueadito” vindo do litoral que até se sente o cheiro do mar. Nos galpões em dias invernais colonos sentam a beira do fogo tendo o teto rodeado de picumã, onde contam causos de carreiradas, pescarias e assombrações. E lá em Morungava o velho taura, cerne curado que o Rio Grande tem, tio Dino é uma espécie de Confúcio galponeiro com o conselho sábio e a palavra certa na hora incerta. Tio Dino envelheceu melhorando, contrário de muitos aqui na cidade que a idade os piora, aliás, até os canalhas branqueiam o cabelo. (Segue na próxima semana…)

 

Jair Wingert; jornalista e o sobrinho mais bonito do Tio Dino

(Nota da redação: Quanto a última afirmação, há controvérsias..)

Publicidade

2017 - Tudo Online em Campo Bom