Hoje é quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Publicidade

O Especialista

Massa de Ar Polar deste final de semana tornará este mês o Agosto mais frio em Campo Bom de que se tem notícia

Até ontem, a temperatura média do mês de agosto, estava apenas à 0.3°C do recorde de frio ocorrido em 2013 com 13.1°C. O que está contribuindo para esta média este ano neste mês, é o da frequência da ocorrência  de dias com temperaturas baixas, seguidas Massas de Ar Polar atingindo o Sul do Brasil e dias com temperaturas máximas com média diária de 3.5°C abaixo da média normal climatológica em 33 anos.
Também não ocorreu nenhuma máxima igual ou superior aos 30.0°C até ontem, dia 23, contra 05 dias  no ano passado. E, no mesmo período já tivemos 10 dias com máximas abaixo dos 20.0°C (em 2017 foram apenas em 04 dias), e entre estes, em 04 dias as máximas ficaram abaixo dos 15.0°C, contra nenhum no ano passado. Por último, em 2017, tivemos em agosto 10 dias com temperaturas mínimas abaixo dos 10.0°C e este ano já somam 18 dias até ontem.
Além disso, a partir de amanhã, sábado, uma intensa Massa de Ar Polar , a mais forte neste mês, vai derrubar as temperaturas com intenso frio. Hoje, um Sistema de Baixa Pressão, atuará sobre o Estado trazendo de volta a instabilidade com chuva generalizada e que será localmente forte e volumosa, e como a atmosfera estará aquecida são esperados rais e granizo localizado. Na sua retaguarda ingressa ar polar frio já citado, que deverá proporcionar madrugadas geladas principalmente no domingo e segunda-feira, com mínimas entre 1.0°C e 2.0°C e geadas no Vale dos Sinos.
Desta forma, este novo período de frio intenso contribuirá para que tenhamos em Campo Bom, o mês de Agosto mais frio em 33 anos. Uma das imagens do texto, ilustra a tarde mais fria do ano, ocorrida na segunda-feira, dia 20. Podemos nela observar a evolução na queda da temperatura , que as 14h fazia apenas 10.4°C, as 15h caia para 9.7°C a mínima, e as 17h ainda mais baixa com 9.5°C, sempre associada  com a presença de chuva e vento gelado dando uma sensação térmica de apenas 6.0°C.

Tarde da última segunda-feira teve temperatura baixa e chuva (Foto: Nilson Wolff)

Tardes com temperaturas tão baixas as 15h da tarde são pouco freqüentes em Campo Bom. Nos últimos 20 anos, aconteceu somente seis vezes: em 18/07/1999 com 9.5°C, 16/07/2000 com 8.8°C, 05/09/2008 com 9.8°C, em 14/08/2013 com 9.3°C, 23/08/2013 com 7.8°C (a mais baixa até hoje idêntica em 01 de agosto de 1991) e no ano passado no dia 17/07/2017 com 8.4°C. Neste mesmo patamar, destaca-se o ano de 1996, que registrou o maior número de dias com 05 tardes, todas no mês de junho.
Já a outra imagem do texto, resgata a neve histórica e inédita ocorrida na tarde do dia 24 de agosto de 1984, ocorrida em Porto Alegre, ou seja, hoje completam-se exatamente 34 anos do ocorrido, e que este colunista teve o privilégio de assisti-lo, pois se encontrava junto às instalações do 8° DISME  no Jardim Botânico, prestando o último dia de curso  para operacionalizar a Estação de Meteorologia de Campo Bom,que estava em fase de sua implantação. Lembra que a neve durou por mais de 30 minutos, a partir das 17h da tarde e a temperatura era de apenas 2.1°C no local.

Data marca o 34º aniversário do fenômeno da neve em Porto Alegre

Existem Institutos de Meteorologia prevendo para amanhã sábado, a possibilidade de ocorrer neve aqui no Estado nas partes mais altas como também no Planalto Sul Catarinense com maior chance, devido a altitude, mas uma coisa é certa, o frio será intenso, pois o 8º Disme na Previsão de ontem, projetava mínimas de 3.0°C para Porto Alegre, ao amanhecer de domingo e segunda-feira e mínimas de -4.0°C na Serra Gaúcha.
Voluntariado: 
Como Voluntário e Encarregado da Estação de Meteorologia de Campo Bom, na quinta-feira, este colunista se deslocou ao 8° DISME em P.Alegre, para buscar uma bateria e substituí-la nos equipamentos da Estação, pois os registros  estavam falhando em alguns horários, evitando assim a quebra na continuidade da apuração das temperaturas médias históricas  desde 1984, tão importantes para o conhecimento do clima da cidade.

Decisão

Decisão é uma palavra que nos acompanha desde o dia em que nascemos até o dia da nossa morte. E não temos como fugir dela. Ou decidimos ou alguém ou a própria vida toma a decisão por nós. A vida é dinâmica e nada que fica parado, progride. Até mesmo as árvores que parecem estacionadas no mesmo lugar, estão sempre em desenvolvimento. A nossa vida não é diferente. A vida tem pressa de acontecer. A vida é muito curta para não ser curtida, diz um ditado popular.
Somente os seres humanos decidem a própria vida. Animais e plantas não. Eles apenas recebem o impulso da natureza, e mesmo que tenham algum grau de inteligência, não conseguem decidir por eles mesmos.
Decidir é escolher entre infinitas possibilidades e se você decide por alguma coisa, deixa para traz todas as demais. Acredito que seja exatamente por isso que muitas pessoas se amedrontam tanto diante das decisões. O que elas não entendem é que não decidir, já é uma decisão.
Porém cada decisão tem um preço. O grande problema é que a não decisão tem um preço ainda maior. E muitas vezes ignoramos esse fato e não decidimos.
Você decidiu não pedir pra namorar aquela garota? Outro virá e fará o que você deveria ter feito. E lá se foi, quem sabe, o amor da sua vida.
Você decidiu não procurar se preparar para o mercado de trabalho? A vida vai passar e você ficará sem qualificações que farão muita falta mais tarde. Então terá que aguentar o emprego que der, o salário que der, o horário que seu patrão determinar.
Você escolheu não cuidar da saúde? Mais tarde seu corpo cobrará isso e a doença virá invariavelmente. E seu preço é bastante alto.
E assim vai.
Decidir é também desapegar. É questionar se o que se vive hoje é a melhor opção.
Charter, um filósofo francês dizia que “nada é mais perigoso do que uma idéia, quando nesta é a única que se tem”.
Não questionar é engessar a vida. É preciso questionar nossa própria verdade, nossa vida, nossa situação.
Quando dizemos “não vai dar certo”, fechamos todas as possibilidades. É preciso mudar o enfoque. Se queremos mudar algo a pergunta deve ser “como farei essa mudança”. E se você tem medo de mudança, a pergunta é “como me fortalecer para aceitar as mudanças” ou ainda “como ter sabedoria para perceber que é preciso mudar”.
Uma coisa é certa como a luz do dia. Se você não mudar, a vida não para. Ela continuará e deixará você para trás.
Você tem medo das mudanças? Procure ajuda. Busque ajuda na terapia, na meditação, no estudo de novas oportunidades. Talvez você descobrirá que esse dragão é apenas um gatinho ronronando e querendo seu carinho.

Rosa Silva
Terapeuta em TFT e Palestrante
rosasilva@vidaplenatododia.com.br

Como foi a maior onda de frio já registrada

Na quarta-feira 27 de julho de 1955 teve início uma das maiores ondas de frio de todo o século passado. Em artigo de Thiago Augusto no site Brasil Abaixo de Zero, o autor coloca que talvez seja a mais espetacular onda de frio já registrada oficialmente no Brasil. Ele descreve a onda de frio que literalmente derrubou as temperaturas em mais de 60% do território nacional ou seja mais de 5 milhões de quilômetros quadrados foram afetados por ela. A extensão territorial afetada pelas geadas atingiu cerca de 90% da área total da Região Sul geando na maior parte do litoral gaúcho e boa parte do litoral catarinense em algumas regiões do litoral paranaense.

Chamou atenção a extensão intensidade e duração das nevadas. Nevou nos três estados sulinos em grande quantidade acumulando no solo até 70cm de neve na Serra Catarinense e no Alto da Serra Gaúcha. O fenômeno ocorreu durante cinco dias consecutivos sendo a nevada mais duradoura já registrada na região até hoje. Sua extensão também foi maior que o habitual sendo registrado o fenômeno em áreas de baixa altitude no Rio Grande do Sul e em uma parte expressiva do Paraná entre os dias 27 a 30 de julho ou seja em quatro dias consecutivos nevou em Bom Jesus e Soledade. Também em quatro dias seguidos em São Francisco de Paula entre 28 a 31 de julho com mínima média  de – 4°C. Durante três dias consecutivos nesse período com máxima ficou entre 1,5°C a 2°C.

Em Encruzilhada do Sul na campanha gaúcha nevou de 28 a 30 de julho e se formaram geadas intensas entre 31 de Julho e 4 de Agosto. Em São Joaquim/SC nevou intensamente entre os dias 29 de julho e 1º de agosto com mínimas de até – 8,1°C e e durante estes três consecutivos a temperatura máxima foi negativa com -1°C dia 29 – 2,2°C no dia 30 e -1,6°C no dia 31.

Imprensa destacou a onda de frio

Além das cidades serranas do Rio Grande do Sul e planalto sul catarinense, no dia 30 de julho nevou em Jaguarão, Piratini, Bagé e Santana do Livramento na campanha e sul do estado. No dia 30 de julho a neve caía em vastas áreas do Paraná e a cidade de Palmas recebeu 30 cm de neve quantidade esta, pouco frequente na região. No dia 31 de Julho houve nevadas em Cascavel no Paraná e a temperatura atingiu 7 graus abaixo de zero neste dia e no Mato Grosso em Cuiabá, a mínima chegou a 4,3°C.

Estes são apenas alguns exemplos resumidos sobre a neve que ocorreu em dezenas de municípios nos três estados do sul. Também no dia 31 de julho de 1955 as nevadas devastaram as lavouras do Paraná com mínimas marcando – 8,4°C em Guarapuava e – 6°C em Ivaí e – 5° em Curitiba. O frio atingiu seu auge no dia primeiro de agosto a espetacular onda polar alcançou a linha do Equador. Bom Jesus registrou nesse dia a temperatura mínima absoluta oficial do Estado até os dias de hoje com – 9,8°C e geada severa.

Destacaram-se também neste dia mínimas de -4,6°C em Urussanga/SC e – 1,2°C em Camboriú/SC. No Paraná foi registrado – 7,5°C em Castro, – 7,2°C em Rio Negro e – 6,1 em Ivaí. Na capital paulista foi registrado 1,5°C no Mirante Santana. Outras temperaturas que chamaram a atenção foram 9°C em Cuiabá no Mato Grosso, 11,1° em Alto Tapajós no Pará,  9,6°C em Cruzeiro do Sul no Acre e – 2,2 em Aquidauana no Mato Grosso do Sul.

No dia 2 de Agosto o frio ainda é intenso pela manhã do Rio Grande do Sul a São Paulo. Algumas mínimas 0,7°C em Porto Alegre, -2,6°C em Taquara, – 4,2°C em Iraí, – 1,2°C em Camboriú/SC, 0,3°C em Blumenau e – 2,1°C em São Paulo. Para termos uma ideia da intensidade do frio desta onda polar entre os dias 27 a 31 de Julho em Porto Alegre, Taquara e no Vale dos Sinos as temperaturas máximas eram de apenas um dígito de 1º a 3 de agosto eram negativas. Esta onda de frio espetacular se dissipa totalmente a partir do dia 4 de Agosto mas ainda registra -2,1°C e geada moderada e Iraí e 0,1°C em Santa Vitória do Palmar tendo geada forte 0°C em São Francisco de Paula 3,8°C em Porto Alegre e 2,2°C em Taquara ambas com nevoeiro.

Publicidade

2017 - Tudo Online em Campo Bom