Hoje é domingo, 21 de abril de 2019

Publicidade

O Especialista

Primavera inicia com temperaturas agradáveis

O primeiro final de semana inicia com temperatura agradável em grande parte do Estado e Região Metropolitana. Em Campo Bom a temperatura no sábado varia entre uma mínima de 16.0°C e máxima de apenas 21.0°C, depois de forte calor nos últimos dias do Inverno. O dia deve ser encoberto com possibilidade de pancadas de chuva. Já o domingo promete a volta do tempo bom  e temperatura variando entre 16.0°C e 25.0°C. Esquenta um pouco segunda-feira e volta a chover na terça e quarta-feira.
Campo Bom registrou na quinta-feira a temperatura máxima do Estado com 35.6°C, mas no último dia do Inverno  apesar do calor a máxima caiu para 30.3°C com abafamento devido ao ar quente e úmido presente. O destaque neste mês até agora foi da máxima ocorrida no último dia 10 com 38.1°C, que até agora foi a mais alta do ano, superando os 37.9°C ocorridos em fevereiro. Outro destaque climático  sem dúvida  foi o do grande acumulado de precipitação que ocorreu entre os dias 14 e 17 com 146.8 mm o que correspondeu à 88% do total da média mensal normal histórica em 33 anos em Campo Bom que é de 164.8 mm. Só não ocorreu o transbordamento do Rio dos Sinos, pois antes da chuva o leito do rio estava muito abaixo do normal e também pelo fato que a chuva na nascente do rio foi de menos acumulado. Os banhados absorvem bastante bastante água  quando acontecem estas fortes precipitações como ilustra a imagem captada na manhã do dia 18. Os banhados tem  importante e fundamental papel de efeito ” esponja ” quando chove bastante na bacia do Rio dos Sinos e exercem importante ação na preservação do meio ambiente, e na conservação  da flora e fauna características da região.Historicamente sempre que inicia um período chuvoso com acumulados de até 130.0 mm, o leito do rio transborda aqui. Outro destaque climático no mês em curso, e que na tendência atual está por acontecer e será inédito em 34 anos, é que pela primeira vez não teremos temperatura mínima abaixo dos 10.0°C. Esta condição quase ocorreu em setembro de 2014, quando foi registrada apenas uma mínima abaixo dos 10.0°C no amanhecer do dia 17 com mínima de 9.2°C.

Banhados tem papel importante na preservação da fauna e da flora silvestre (Foto: Nilson Wolff)

Por que adoecemos tanto?

Parece que estamos vivendo a era da doença. Nunca se ouviu falar em tantas pessoas doentes e em tantas espécies diferentes de doenças.

Quando eu era pequena, era normal ouvir sobre algum velhinho doente ou um outro senhorzinho que havia morrido… mas, nos dias atuais, parece que crianças, jovens e adultos estão quase em pé de igualdade quando o assunto é adoecer e morrer. E o que mais espanta é constatar que, por vezes, uma pessoa aparentemente saudável, de repente apresenta uma disfunção orgânica grave e deixa a todos boquiabertos. Como pode aquela pessoa que parecia tão saudável, estar doente de tal maneira? Mas por que será que estamos adoecendo tanto e tão precocemente?

O que temos esquecido é que não somos apenas um corpo. Há em nós outros elementos tão importantes quanto o físico. Temos nossa mente, que trabalha comandando nossas ações e emoções, e temos nosso espírito, que nos move em direçāo aos nossos desejos. E quando falo de espírito não falo sobre religiosidade, mas sobre a nossa essência mais profunda.

Essa máquina fantástica chamada cérebro tem infinitas terminações nervosas pelas quais passam os impulsos elétricos que são enviados a cada célula do nosso corpo. Cada órgão recebe esses impulsos que o tornam vivo. São esses impulsos que fazem com que cada célula do nosso corpo tenha vida e saúde.

O trauma causa uma perturbação na mente e, esta, por sua vez vai disparar vários mecanismos de mudanças químicas, hormonais e cognitivas. Em muitos casos, os traumas vão criando “camadas” como forma de blindar a pessoa e evitar a dor. Mas a dor estará lá guardada em algum lugar profundo do indivíduo e se mostrará, em alguns momentos críticos, e, em momentos não tão críticos, permanecerá em seu esconderijo. Em alguns casos a pessoa pode se tornar retraída; em outros, agressiva. Isso é uma forma de proteção.

Quando sofremos um trauma é como se houvesse um curto circuito em nosso cérebro. Para ficar mais fácil de entender, pense em sua casa. Se houver um curto circuito, por exemplo, algumas tomadas funcionarão, outras não, devido à ausência de energia elétrica; ou, talvez, você perca algum equipamento elétrico por sobrecarga de energia. Enfim, será necessária a ajuda de um profissional da área para colocar tudo em ordem.

E se a dor não foi banida e a ferida não foi curada, estará lá sempre aberta e, quando tocada, irá disparar o mecanismo de defesa que a pessoa desenvolveu. Entretanto, uma dor reprimida, uma mágoa profunda guardada a sete chaves, e acompanhada de raiva ou culpa, invariavelmente vai se transformar em doenças. Algumas podem ser leves; outras, graves.

Ficam as perguntas: Onde e como encontrar cura? Como evitar as doenças? Onde encontar equilíbrio? É possível? Sim, com certeza! Mas disso falaremos no nosso próximo encontro.

Então te espero aqui.

Rosa da Silva – Terapeuta TFT e Palestrante

Publicidade

2017 - Tudo Online em Campo Bom