Hoje é sexta-feira, 24 de maio de 2019

Publicidade

O Especialista

Não teremos veranico em Maio

Nesses oito primeiros dias de Maio, Campo Bom e o Vale dos Sinos estão registrando uma temperatura média com desvio de 4,8ºC para cima se comparado com a média mensal normal histórica em 34 anos. Vários institutos de meteorologia estão prognosticando a longo prazo um frio intenso após o dia 21 de Maio no sul do Brasil assim a média do mês deverá se aproximar da normal histórica que é de 16,2ºC e que não está correspondendo nesses nestes primeiros dias de Maio.

O Maio mais frio desde o início das medições das temperaturas em Campo Bom em 1984 ocorreu em 1988 com média de 13,8ºC e em nenhum outro ano desse período a média mensal do mês ficou abaixo dos 14ºC. O Maio mais quente ocorreu em 1994 com média de 19ºC seguido de 1991 que teve média de 18,6°C. Neste período também apenas em três anos a média mensal foi igual ou superior a 18°C, lembrando que no ano passado a média do mês ficou em 17,5°C.

A temperatura máxima até agora ocorreu no dia 3 com 31,1°C e muitos internautas sugeriram que estivesse acontecendo o popular “veranico de Maio” esclarecemos que o fenômeno conhecido como “veranico de Maio” só acontece e se caracteriza caso aconteçam pelo menos cinco dias consecutivos com temperatura máxima igual ou superior a 30°C na média. Sendo que a última vez que assim ocorreu foi em 2015 com média de 30°C entre os dias 20 a 24 de Maio daquele ano.

Antes apenas em 2008 ocorreu o “veranico de Maio” com média bem elevada, 31,8ºC entre os dias 18 a 23 de Maio ou seja 6 dias seguidos. Naquele ano apesar de ter acontecido o “veranico de Maio” o mês destacou-se também pelo alto volume de precipitação com 200,3 mm de acumulado total e de frio com mínima de apenas 1,2°C no dia 31 com formação de geada. No ano passado tivemos apenas um dia em maio com máxima igual ou superior a 30°C e coincidentemente aconteceu no dia 3 como neste ano.

Até agora a instabilidade iniciada nesta quinta-feira deve permanecer até a manhã de sábado com volumes que podem ser altos e poderão também ocasionar novos alagamentos na região metropolitana. Mas uma vez já nos encontramos na fase da lua crescente, que já está visível à noite no céu, apesar de no calendário iniciar apenas no sábado dia 11. Como já reportamos em colunas anteriores em cidades localizadas no Paralelo 30 e próximas dele não gosta de chover nesta fase da lua como por exemplo cidades como Porto Alegre e Tramandaí.

Quando chove neste período é e volumes bem menores e em poucas horas. Nós reportaremos na próxima semana sobre a confirmação ou não deste fenômeno. O destaque climático desta primeira semana do mês está associado a dois episódios de chuva volumosa: o primeiro ocorreu na noite do dia 3 e amanhecer do último sábado dia 4 com 36,4 mm e o segundo na tarde de domingo dia 5 com acumulado de 34mm com forte temporal na região. A estação de meteorologia registrou rajadas de ventos até 54,3 km por hora mas em bairros da cidade com certeza foi com velocidade maior pois houve quedas de árvores e destelhamentos em residências.

Imagem de Lucas Lovatto registrando a chegada do temporal do último domingo

A imagem do texto registrada pelo internauta Lucas Lovatto registro momento da chegada do temporal na cidade no último domingo dia 5. Houve também ocorrência de queda de granizo em alguns bairros da cidade em pequena quantidade mas em Sapiranga o volume foi bem maior ocasionando problemas em telhados em várias residências
O total da precipitação até ontem chegou a 73,6 mm corresponde a 63% da média mensal normal histórica em 34 anos que é de 116,7 mm para o mês de Maio no ano passado foram apenas 99,2 mm. O Maio mais chuvoso ocorreu em 2017 com 244,2 mm e desse total choveu 171,6 mm entre os dias 25 e 31 de Maio ocasionando o transbordamento do leito do Rio dos Sinos que na régua sob a ponte da Barrinha registrou 6,88m na tarde do dia 30. Já o Maio mais seco ou correu em 1991 com apenas 35,8 milímetros de chuva.

Agregados no casamento

Um grupo que ao mesmo tempo é maravilhoso, mas também traz um enorme problema no casamento são os agregados. Pais, cunhados, primos e tios de ambos os cônjuges.
Se eles são agradáveis já é um complicômetro, imagina então quando são azedos? A complicação acontece quando são chegados demais, criam muita intimidade com o casal e começam a dar opinião sobre a vida conjugal.
E quando o casal resolve morar na casa dos sogros? Aí o terreno está pronto para todo tipo de desavenças. Afinal os sogros, via de regra vão defender sua cria e não o cônjuge. E ai de você se retrucar!
Se a discussão entre o casal se tornar mais acalorada, teremos pai, mãe, cunhados, irmãos e toda a família nessa discussão. Cada um emitindo sua opinião e o casal perdido e sem identidade. Afinal se a casa é dos pais do marido, a mulher não tem o que falar, se a casa é dos pais da esposa, o marido estará em maus lençóis, tendo que enfrentar a cara feia do sogro e o “bico” da mulher e da sogra. Agora imagina você homem nessa situação. Você sem razão, sua mulher de bico (que agora não será um biquinho, mas um bicão) e a família toda contra você que gritou com a mulher e foi grosseiro com a sogra. Embora na sua cabeça não foi nada disso que aconteceu, será assim que todos verão.
Mesmo conversas triviais terão interferência de toda a comunidade familiar e nunca se estabelecerá a identidade do casal.
E se você tem a felicidade de morar na sua própria casa, deixe os assuntos do casal em casa. Fora fale apenas de trivialidades. Porque quando você cria um clima de muita intimidade, você vai acabar falando demais. Vai falar dos problemas conjugais, dos problemas financeiros, das divergências na criação dos filhos, enfim, vai acabar criando um clima ruim em torno do seu cônjuge.
Você voltará para casa e esquecerá do desabafo que fez, mas seus pais continuarão a remoer o assunto e na melhor das hipóteses, vão ficar preocupados com você. E talvez pensem que sua vida é somente tristezas. Pais querem ver os filhos sempre bem, e imaginar que você está passando dificuldades em qualquer área do casamento, vai trazer tristezas e preocupações para eles.
E mais, pode criar uma atmosfera muito ruim no seu casamento. Seus pais olharão seu cônjuge como alguém que não está cumprindo o dever de tornar a vida do filho ou filha deles muito feliz. E o pobre coitado do seu cônjuge não vai sequer ter ideia do que está acontecendo. Só vai saber que por mais que tente agradar seus pais, há uma ponta de desapontamento neles.
Cunhados, sogros, sobrinhos e primos são pessoas divertidas, amigas, companheiras e muito bem vindas, mas não os envolva no seu relacionamento conjugal. Eles serão sempre apoio nas horas de dor, mas nas horas de brigas e desavenças conjugais esqueça-os.
E principalmente mantenha a boca fechada quando desejar falar coisas ruins do seu cônjuge. Quando tiver que falar algo, fale somente o que é bom.
Há um ensinamento que diz que quando você tira o bom nome de alguém, você a mata da pior maneira. Da maneira mais dolorida e cruel, porque você tira dela o que há de mais importante na vida; o bom nome.
Então não se torne o carrasco do seu cônjuge. Não leve essa dívida para sua vida, porque quem mata alguém tem um preço a pagar por isso. E normalmente esse preço é muito elevado.
Com certeza você não vai querer esse ônus na sua vida, vai?

Rosa Silva
Terapeuta em TFT e Palestrante
vidaplenatododia

Transtorno Bipolar

Uma das doenças mais comuns referentes ao humor, hoje em dia, é o transtorno bipolar. Recebo muitos clientes com tal transtorno.
Mas o que é o transtorno bipolar? Aquele que o possui passa de um estado de depressão para outro de profunda euforia. Em um momento a pessoa está se sentindo o pior dos seres humanos , triste, desiludida com a vida e no outro ela é quase um super herói. Se sente poderosa. Chega a perder o sono porque tem muitos planos para realizar. Pode entrar numa roda viva de gastar o que não tem e ai de quem quiser mostrar que o que ela está passando faz parte da doença!
O pior para quem convive com esse paciente é que ele pode passar meses em depressão e de repente acordar bem como se nada houvesse acontecido. Entra então no período de euforia e pode permanecer assim um outro tanto de tempo.
É comum que esse paciente tenha tido uma infância problemática com traumas, abusos emocionais, físicos ou sexuais. Histórico de divórcio dos pais, violência familiar entre outros acontecimentos também disparam o gatilho do transtorno bipolar.
Segundo o cientista Mortensen, crianças que perderam a mãe antes dos cinco anos de idade tem risco quatro vezes maior de apresentarem o transtorno bipolar. É claro que não é apenas esse fato que pode provocar a doença, afinal muitas crianças que passaram pela mesma situação e não apresentaram nenhum tipo de sintoma do transtorno bipolar. A diferença é como a criança encara a situação.
Não é fácil lidar com a pessoa com transtorno afetivo bipolar, pois uma das características principais da doença é o fato do paciente não perceber ou admitir a própria doença.
Isso é um grande desafio para o profissional da saúde, mas um desafio ainda maior para a família que precisa conviver com a pessoa bipolar. Afinal como lidar com alguém que não admite sua instabilidade? Ou como se aproximar de alguém sem saber se a pessoa vai te abraçar ou te bater? Vai falar te ouvir ou virar as costas? Vai sorrir ou gritar?
Por isso é imprescindível um acompanhamento terapêutico desse paciente, tanto psicológico quanto psiquiátrico. Quando ele se conscientiza do seu estado, fica mais flexível e torna-se capaz de aceitar o uso de medicamentos, segue com as consultas, sendo possível controlar a próxima crise quer seja de euforia, quer seja de depressão.
É muito difícil para qualquer pessoa aceitar que está doente e precisa de ajuda quando o assunto é terapêutico.
Quando o problema é físico, como uma dor, é mais fácil buscar ajuda. Mas quando a dor vem de dentro, é mais difícil aceitar que se precisa de ajuda. Mas toda dor física, mental ou do espírito precisa ser tratada e curada.
Quando um dente começa a doer, se você não for ao dentista, a dor vai se tornar tão insuportável que você não vai sequer conseguir raciocinar. Quando a dor da alma fica insuportável, os transtornos de todos os tipos aparecem e a cura torna-se mais lenta e longa.
Por isso, não deixe escondido dentro do peito aquele sentimento que faz você sofrer. Cuide do seu coração, da sua mente e das suas emoções com carinho. Afinal você merece ser feliz e saudável.

Rosa Silva
Terapeuta em TFT e Palestrante
vidaplenatododia.com

Publicidade

2017 - Tudo Online em Campo Bom